sábado, 10 de maio de 2008

O Crescimento Populacional ou Demográfico

Em 1994, o planeta contava com 5,6 bilhões de habitantes. Do início dos anos 70 até hoje, o crescimento da população mundial caiu de 2,1% para 1,6% ao ano, o número de mulheres que utilizam algum método anticoncepcional aumentou de 10% para 50% e o número médio de filhos por mulher em países subdesenvolvidos caiu de 6 para 4. Ainda assim, esse ritmo continua alto, e, caso se mantenha, a população do planeta duplicará até 2050.

O crescimento demográfico está ligado a dois fatores: o crescimento natural ou vegetativo, que corresponde à diferença entre nascimentos e óbitos verificada numa população, e a taxa de migração, que é a diferença entre a entrada e a saída de pessoas de um território. Considerando essas duas taxas, o crescimento populacional pode ser positivo, nulo ou negativo.

O crescimento da população foi, ao longo do tempo, explicado a partir de teorias. Vejamos as principais.


TEORIA DE MALTHUS


Em 1798, Malthus publicou uma teoria demográfica que apresenta basicamente dois postulados:

A população, se não ocorrerem guerras, epidemias, desastres naturais, etc, tenderia a duplicar a cada 25 anos. Ela cresceria, portanto, em progressão geométrica (2, 4, 8, 16, 32...) e constituiria um fator variável, ou seja, que cresceria sem parar.

O crescimento da produção de alimentos ocorreria apenas em progressão aritmética (2, 4, 6, 8, 10...) e possuiria um limite de produção, por depender de um fator fixo: o próprio limite territorial dos continentes.

Ao considerar esses dois postulados, Malthus concluiu que o ritmo de crescimento populacional seria mais acelerado que o ritmo do crescimento da produção alimentar (PG X PA). Previa ainda que um dia estariam esgotadas as possibilidades de aumento da área cultivada, pois todos os continentes estariam plenamente ocupados pela agropecuária e a população do planeta continuaria crescendo. A conseqüência seria a fome, a falta de alimentos para abastecer as necessidades de consumo do planeta. Para evitar esse flagelo, Malthus, um pastor da igreja anglicana contrário aos métodos anticoncepcionais, propunha a sujeição moral, ou seja, que as pessoas só tivessem filhos se possuíssem terras cultiváveis para poder alimentá-los.

Hoje, sabe-se que suas previsões não se concretizaram: a população do planeta não duplicou a cada 25 anos e a produção de alimentos cresceu no mesmo ritmo do desenvolvimento tecnológico. Mesmo que se considere uma área fixa de cultivo, a produção (quantidade produzida) aumenta, já que a produtividade (quantidade produzida por área- toneladas de arroz por hectare, por exemplo) também vem aumentando sem parar.

Essa teoria, quando foi elaborada, parecia muito consistente. Os erros de previsão estão ligados principalmente às limitações da época para a coleta de dados, já que Malthus tirou suas conclusões a partir da observação do comportamento demográfico em uma região limitada, com população predominantemente rural, e as considerou válidas para todo o planeta no transcorrer da história. Não previu os efeitos decorrentes da urbanização na evolução demográfica e do progresso tecnológico aplicado à agricultura.

Desde que Malthus apresentou sua teoria, são comuns os discursos que relacionam de forma simplista a ocorrência da fome no planeta ao crescimento populacional. A fome que castiga mais da metade da população mundial é resultado da má distribuição, e não da carência de alimentos. A atual produção agropecuária mundial é suficiente para alimentar cerca de 9 bilhões de pessoas, enquanto a população ainda não atingiu a cifra de 6 bilhões. A fome existe porque as pessoas não possuem o dinheiro necessário para suprir suas necessidades básicas, fato facilmente observável no Brasil: apesar do enorme volume de alimentos exportados, as prateleiras dos supermercados estão sempre lotadas e a panela de muitos operários e bóia-frias, sempre vazia.

TEORIA NEOMALTHUSIANA

Com o final da Segunda Guerra Mundial, foi realizada uma conferência de paz em 1945, em São Francisco, que deu origem à Organização das Nações Unidas (ONU). Na ocasião, foram discutidas estratégias de desenvolvimento, visando evitar a eclosão de um novo conflito militar em escala mundial. Havia apenas um ponto de consenso entre os participantes: a paz depende da harmonia entre os povos, e, portanto, da diminuição das desigualdades econômicas no planeta. Agora, como explicar, e, a partir daí, enfrentar a questão da miséria nos países subdesenvolvidos?

Esses países buscaram a raiz de seus problemas na colonização do tipo exploração implantada em seus territórios e nas condições de desigualdade das relações comerciais que caracterizaram o colonialismo e o imperialismo. Passaram a propor amplas reformas nas relações econômicas, em escala planetária, que, é óbvio, diminuiriam as vantagens comerciais, e, portanto, o fluxo de capitais e a evasão de divisas dos países subdesenvolvidos em direção ao caixa dos países desenvolvidos.

Nesse contexto histórico, foi criada a teoria demográfica neomalthusiana, uma tentativa de explicar a ocorrência de fome nos países subdesenvolvidos, para se esquivarem das questões econômicas.

Segundo essa teoria, uma população jovem numerosa, resultantes das elevadas taxas de natalidade verificadas em quase todos os países subdesenvolvidos, necessita de grandes investimentos sociais em educação e saúde. Com isso, diminuem os investimentos produtivos nos setores agrícola e industrial, o que impede o pleno desenvolvimento das atividades econômicas e, portanto, da melhoria das condições de vida da população. Ainda segundo os neomalthusianos, quanto maior o número de habitantes de um país, menor a renda per capita e a disponibilidade de capital a ser distribuído pelos agentes econômicos. Verifica-se que essa teoria, embora com postulados totalmente diferentes daqueles utilizados por Malthus, chega à mesma conclusão: o crescimento populacional é o responsável pela ocorrência da miséria. Ela passa, então, a propor programas de controle da natalidade nos países subdesenvolvidos e a disseminação da utilização de métodos anticoncepcionais. É uma tentativa de enfrentar problemas socioeconômicos exclusivamente a partir de posições contrárias à natalidade, de acobertar os efeitos devastadores dos baixos salários e das péssimas condições de vida que vigoram nos países subdesenvolvidos a partir de uma argumentação demográfica. Dizer que os países subdesenvolvidos desviaram dinheiro do setor produtivo para os investimentos sociais é, no mínimo, hipocrisia.

TEORIA REFORMISTA

Em resposta aos neomalthusianos, foi elaborada a teoria reformista, que inverte a conclusão das duas teorias demográficas anteriores.

Uma população jovem numerosa, em virtude de elevadas taxas de natalidade, não é causa, mas conseqüência do subdesenvolvimento. Em países desenvolvidos, onde o padrão de vida da população é elevado, o controle de natalidade ocorreu paralelamente à melhoria da qualidade de vida da população e espontaneamente, de uma geração para outra. Uma população jovem numerosa só se tornou empecilho ao desenvolvimento das atividades econômicas nos países subdesenvolvidos porque não foram realizados investimentos sociais, principalmente em educação e saúde. Essa situação gerou um enorme contingente de mão-de-obra desqualificada ingressando anualmente no mercado de trabalho. Essa realidade tende a rebaixar o nível médio de produtividade por trabalhador e a continuar a empobrecer enormes parcelas da população desses países. É necessário o enfrentamento, em primeiro lugar, das questões sociais e econômicas para que a dinâmica demográfica entre em equilíbrio.

Para os defensores dessa corrente, a tendência de controle espontâneo da natalidade é facilmente verificável ao se comparar a taxa de natalidade entre as famílias brasileiras de classe baixa e de classe média. À medida que as famílias obtêm condições dignas de vida, tendem a diminuir o número de filhos para não comprometer o acesso a de seus dependentes aos sistemas de educação e saúde.

Quando o cotidiano familiar transcorre em condições miseráveis e as pessoas não têm consciência das determinações econômicas e sociais, vivem de subempregos, em sub-moradias e subalimentadas, como esperar que elas estejam preocupadas em gerar menos filhos?

Essa teoria, enfim, é mais realista, por analisar os problemas econômicos, sociais e demográficos de forma objetiva, partindo de situações reais do dia-a-dia das pessoas.

O CRESCIMENTO VEGETATIVO OU NATURAL

Essas teorias, como vimos, buscam estabelecer relações entre crescimento populacional e condições de vida, mas não são suficientes para esclarecer a questão.

Atualmente, o que se verifica é uma queda global dos índices de natalidade e mortalidade, apesar de estar aumentando o número de pessoas que vivem na miséria e passam fome. Essa queda está relacionada principalmente ao êxodo rural, à saída de pessoas do campo em direção às cidades e suas conseqüências no comportamento demográfico:

  • Maior custo para criar os filhos
  • Acesso a métodos anticoncepcionais
  • Trabalho feminino extra-domiciliar

  • Aborto
  • Acesso a tratamento médico, saneamento básico e programas de vacinação

Fonte: Geografia geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização, Eustáquio de Sene, João Carlos Moreira, editora Scipione, 1998, páginas 336-341

21 comentários:

Elma Regina disse...

Bom foi bastante teorias sobre o crescimento populacional, e na minha opnião o crescimento populacional não seria tão grande assim,acho sim que ainda continua crescendo bastante, mas hoje em dia temos bastante informações.
Acho q em lugares em dificio acesso a população vai crescendo mais do que nas cidades onde o custo de vida fica mas alto e os anticoncepcional mais disponiveis.
Acho q deveria ter programas sociais para mostrar as pessoas o problema de ir aumentando a população, para elas ver q ter um filho precisa ter uma estabilidade para dar uma outra estabilidade para mais um q vai viver nesse país q realmente precisa mas de mão-de-obra qualificada.
A teoria reformista na minha opnião é mais válida.Para esse problema de aumento de população diminuir deveriam envestir em questões socias e econômicas tanto para nosso futuro quanto para o do nosso país.Acho q a misséria aumenta por causa do aumento de população, pq são familias que crescem sem planejamentos, sem saber que estão prejudicando à eles msm, fazem filhos sem condiçôes e assim aumentando pq talvés essa criança como foi criada sem educação sem oportunidade vai gerando outras e outras crianças, sem ter a cosciência de que isso ñ é legal.
Então acho q programas socias seriam bem interessante.


Elma Regina nº07 B301

GABRIELLA LANES ALVES Nº14 3º ANO NOITE disse...

Uma coisa óbvia, mas que muitos não enxergam. Há comida e terra suficiente para todos, o grande problema é que esses recursos são mal distribuídos. Uns com muito, muitos com pouco.
Não esquecendo do money, nosso querido capital, que também é concentrado nas mãos da minoria, gerando a miséria em alguns países.
Logo, a população mais carente, fica sem acesso à educação, emprego. Muitos se quer possuem uma televisão de 14 polegadas com antena de chifrinho.
Pense bem, o que você faria pra passar o tempo se você fosse pobre, desempregado, sem muito estudo e não tivesse nem ao menos a televisãozinha para te entreter...obviamente, sexo.
É exatamente isso que acontece, e sem acesso aos métodos contraceptivos, o índice de natalidade aumenta. Geralmente famílias muito pobres têm acima de 5 filhos, porém não têm dinheiro para sustentar nem mesmo o cachorro.
Campanhas sobre métodos anti-concepcionais não adiantam muito se não chegam a quem realmente precisa delas.
É necessário começar do começo. Redistribuindo terras, capacitando a população para que consigam empregos (pois vagas têm de sobra, falta mesmo é gente qualificada para o serviço), investindo na educação, e assim vai.
Ainda tem jeito.

Bianca disse...

JOSEFINA DOMICIANO VITÓRIO N 18 3 ANO DE ADMINISTRAÇÃO

Na minha opinião, a Teoria Reformista é a que realmente chega a realidade de hoje. Quanto mais as pessoas sem formação, sem estudos e até sem uma religião, pode entender o problema sério que é ter muitos filhos. Acho também que esses programas do governo de "fome zero, bolsa família, cheque cidadão, vale gás" e outros que devem existir, que fazem com que essas famílias sem devidos conhecimentos, vão fazendo filhos para não perder o direito.
Devia sim, ter um programa de médicos para fazer laqueação. Dar mais condições para essas famílias poderem ter mais esclerecimentos, mais empregos, um serviço social bem preparado para levar as devidas informações.
Assim, seria possível um Brasil desenvolvido.

fernando disse...

FERNANDO BORGES GARCIA DE SOUZA, Nº10, 3º ANO NOITE

bom todos tentam explicar o crescimento populacional no mundo, tudo indica se as coisas continuarem no ritimo qui estao faltara comida no mundo, mas ninguem sabe o que pode acontece no mundo, hoje em dia a muitos meios di se evitar filhos com os anticocepcionais, camisinha, e ate o aborto. na minha opniao ainda estao por vim muitas outras teorias, porque com o passar do tempo as coisas vao mudando, o pensamento das pessoas, assim como anos atras as pessoas tinham 20 filhos sem planejamento algum, hoje o numero de filho por familia diminuiu, as pessoas hoje pensam no estudo de seus filhos. na minha opniao o futuro do mundo é um ponto de interrogaçao.... vlw Marcioo abçsss

Gabrielle disse...

Não concordo com tais afirmações pelo fato do número de adolescentes engravidando sem nenhuma estrutura, começando pela falta de conhecimento e esclarecimentos, com isso o aumento de natalidade é muito grande, mas de mortalidade é muito considerada pelo fato da imaturidade dessas “meninas” acaba ocasionando a morte da criança. Mas consideralmente também aumentou o número de adoções e vendas de crianças para o exterior. Então na verdade, eu pergunto: será que realmente caiu o número de natalidade ou os recém nascidos vão para o exterior para a adoção resultando em registro de outra nacionalidade.
As teorias referentes ao crescimento da população foram, ao longo do tempo, explicado, mas será que na prática é realmente o que se está praticando. Sei que os especialistas devem ter uma explicação com o desenvolvimento do país, mas em minha opinião, deveria ter um equilíbrio com a realidade.
A partir daí, em minha opinião, teríamos uma estatística voltada para a nossa realidade. Com isso estimularia a um estudo para que houvesse uma conscientização na população.


Aluna: Gabrielle de Moura Medeiros Figueira - n°15 - Turma:301 (noite)
Colégio 5 de Julho

camila disse...

camila ribeiro Nº02 3º ANO NOITE
O crescimento populacional está evidente diminuiu muito de alguns anos pra cá, mas não devemos deixar este assunto de lado, pq ele diminuiu mas é ainda um indice muito alto.claro que em familias de classe média isso não é mais um problema pq, eles vem crescendo na sociedade com o objetivo de querer mais dinheiro então eles tem em mente, que ter muitos filhos nã vai ser muito bom, eles fazem tudo planejado.
Mas o que fazer uma familia pobre, miseravel onde muitas vezes não tem nem uma televisão em casa? onde não lhe chegam informações necessárias, são nessa familias, nesses lugares mais pobres onde devem ser feito palestras informando sobre gravidez,anticoncepcional,doença etc...essas pessoas em geral ou melhor quase todas só podem fazer uma coisa ''sexo'' isso vai trazer filhos indesejados, que por sua ves vão crescer na miséria, com fome não vão ter uma estudo de qualidade e na sua maior idade não vão ter um emprego qualificado, isso vai gerar mais pobresa e tudo vai acontecer de novo.
Se alguém não tomar uma providência é isso que sempre vai acontecer,são poucos que dão sorte na vida e conseguem algo melhor. Na minha opinião a teoria reformista mostra a realidade do nosso BRASIL, do dia-a-dia de um povo pobre e de um povo rico, ai se encontra a desigualdade.

Prof. Marcio Bezerra disse...

até agora meninos e meninas estou gostando de ver.

eu fico impressionado como é que muitos reclamam q não sabem escrever, comentar sobre um assunto e aqui tem feito excelentes colocações pro tema q abordamos em sala de aula e ampliamos mais aqui!


tá faltando muita gente ainda!!

vamos ver se aparecem!!

camilla disse...

Bom ao ler esse texto se entende que havia um cresimento populacional muito grande
naquela epoca .E já estabelencendo a lei de malthus que via a falta de alimentos
para a população então ele optou por falar a seus irmão de igreja que eles naun
deveriam ter filhos e se os tivessem que deveriam plantar para alimentalos .
Mais a teoria de malthus estava totalmente errada naun ouve um crescimento
deacordo com o que ele espera devido ao crescimento da agricultura com ajuda
da tecnologia.
isso mostra que nao e a falta de alimentos mais sim amá distribuição pois a produção
agricola coresponde a cerca de 9 bilhões sendo que ainda estamos na marca de
6 bilhões isso prova que e a falta de dinheiro que faz com que a população não tenha
o que comer em casa .
Já a teoria neomalthusiana visava diminuir as desigualdades economica de que forma
investindo em educação e saúde. essa teoria tb vizava quanto maior u numero de
abitantes menor e a renda per capita então emplantaram o metodo de anticoncepcionais visando
acabar com os poblemas socioeconomicos
já a teoria REFORMISTA discorda totalmente das 2 anteriores essa teoria então se torna a
mais realista e convicente pois analisa tanto o lado economico o social e o demografico
eles afirmam que o poblema esta na má formação dos jovens.

Camilla Souza Nº03 Tuma:B301

barbara disse...

BÁRBARA CRISTINA SILVA RAMOS 3ºANO NOITE ENFERMAGEM.
Se a teoria de Malthus fosse verdadeira a população ja teria morrido de fome...
Se a população crescessem em progressão geometrica e a alimentação em progressão aritmetica com certeza nos ja tinhamos morrido de fome...
As pessoas de interior que naum tem acesso a muitas informações tem tendencia a terem mais filhos, geralmente essas familias tem mais de 4 filhos...
Com a teoria neomalthusiana o crescimento populacional é o responsavel pela ocorrencia da miseria e ela passa a propor os metodos anticoncepcionais que na teoria de malthus naum era aceita...
Ja na teoria reformista que eh a mais aceita diz q nos paises desen volvidos as familias tem menos filhos e ja nos paises subdesenvolvidos as familias tem mais filhos, nos paises subdesenvolvidos naum investem nos jovem e por isso jovem sem informação e sem estudo é igual a familia desistruturada e familia cim mais de 4 filhos...
Conclusão com investimentos na educação e na saude sera igual a familias com menos filhos e familias com qualidade de vida melhor por que o q naum falta sao locais para o cultivo de alimentos assim teremos um pais melhor...

barbara disse...

BÁRBARA CRISTINA SILVA RAMOS 3ºANO NOITE ENFERMAGEM
De acordo com a teoria de Malthus que naum foi a verdadeira a população cresce em progressão geometrica e a alimentação em progressão aritmetica... se a população duplicasse a cada 25 anos naum teria mais espaço pra tanta gente...E a consequencia seria a fome, e a falta de alimentos para abastecer as necessidades de consumo do planeta... Malthus naum aceitava os metodos anticoncepcionais e dizia que as familias so poderiam ter filhos se possuissem terras cultiveis para alimenta-los.
Ja na teoria neomalthusiana o crescimento populacional é o responsavel pela miseria e ela passa a propor uma teoria um pouco mais aceita com anticoncepcionais para o controle da população...
Na teoria reformista a mais aceita nos paises desenvolvidos a qualidade de vida eh muito melhor e tem uma quantidade de jovens menos... E nos paises subdesenvolvidos o padrao de vida eh pior e consequentemente a qualidade tambem...
Conclusão em um pais como o Brasil a unica solução seria investir na educação e na saude...
Sem a minima informação as pessoas que vivem no interior naum tem nada para fazer e ai resulta em cada ano um novo membro pra familia consequencia familias muito mais numerosas... Esse tipo de familia costuma ter mais de 4 filhos quando naum eh o segundo casa mento da mulher ela ja teve 4 com um e mais 4 com o ovo marido... Consequentemente quantas vezes ela casar mais filhos tera...

Anônimo disse...

Tem teoria a 'vera' pra explicar o crescimento, acho que também vou inventar a minha daqui a pouco. O texto está em negrito, pra todo mundo ler o meu primeiro!
Bem Márcio, achei interessante as colocações em todas as teorias sobre o crescimento. Começando pelo caro parceiro Malthus, atribuir a um planeta uma teoria formulada em uma base de uma região limitada e com uma população rural, sem se preocupar com urbanização na evolução demográfica e do processo tecnológico aplicado na agricultura, fala sério!
Ele pensava que o mundo nunca iria mudar não?
Ta legal que naquela época eles não dispunham de algo avançado para esse tipo de pesquisa, porém, evidenciar um mundo só por uma conclusão tirada em uma pequena porção, não dá. Ele achou interessante também a questão da fome. até aí tudo bem, mas o abençoadinho também disse que a fome é resultado do crescimento populacional. Márcio, afirmo isso como opinião pessoal, voce foi feliz quando disse: "A fome que castiga mais da metade da população mundial é resultado da má distribuição, e não da carência de alimentos". alimentos nós temos e de sobra!
Curti também a colocação da teoria neomalthusiana que diz que, se o foco de investimentos é a população ( no caso na area da saúde e educação ), isso irá impedir o crescimento do setor agrícula e industrial. Eles esquecem que, investindo na saúde e educação, eles vão ter uma população qualificada para exercer funções ( acabando de vez com o 'termo' de chamar 'gente de fora' ) e com saúde para exercer tais coisas. Antes que eu escreva um livro, ressalto que, para tanto, amei a solução proposta pelos queridos neomalthusianos: "Vamos dispor de métodos anticoncepcionais ou alguma coisa que "trave" a taxa de natalidade" ( po, ta de brincadeira?! ).
Sem perca de tempo, coloco aqui o que geral já ta 'careca' de saber ( e olha que isso não é calvice ), a teoria Reformista é a mais realista neste contexto, dissimulando os valores das outras teorias, sendo objetiva e tirando fatos do próprio dia-a-dia da população.
Acho que, se voce investe na população, para o crescimento qualificado e bem sucedido da mesma ( tais como: educação, saúde, saneamento, oportunidades ), voce não terá de preocupar tanto com assuntos de crescimento, fome e miséria, pois estará preparado para lutar contra isso.
o problema não é o desemprego, o probema é a falta de oportunidade para favorecer a população nos aspectos que ela se enquadra.

Matheus Queiroz nº 21 T:301b

Anônimo disse...

Bem, li o texto e agora vou colocar minha opinião.
das tres teorias propostas, achei interessante e chamativa a neomalthusiana, onde eles tentavam explicar a existencia da fome nos países subsedenvolvidos para 'fugirem' das questões economicas.
Consegue-se concluir que esta teoria chega a mesma linguagem da do malthus, dizendo que o crescimento da população é responsável pelo crescimento da miséria.
O que nos chama atenção é que se voce tem gente nova ( jovens, etc ) voce terá que investir na saúde e na educação, como mostra o texto. Mas a colocação deles não é valorizada quando eles dizem que, pra que isso ocorra, o centro das atenções não serão industrias e o setor agrícula, pois se voce investe muito na saúde e educação, o foco, que agora era a economia, vai ficar com poucos investimentos.
parece que, bastante preocupados com isso, fizeram uma ideia errada de como mudar essa situação. o texto diz: " Ela ( a teoria ) passa, então, a propor programas de controle da natalidade nos países subdesenvolvidos e a disseminação da utilização de métodos anticoncepcionais."
PO, isso é uma parceira contra os nascimentos mesmo!
Na minha opinião, ao inves de levar a sério isso, deveriam investir mesmo é na população, que está precisando! por que se voce começar a olhar a população, a cidade ou país irão melhorar, afinal, com uma população bem estruturada em todas as áreas que ela precisar, consequentemente teremos uma país melhor e assim por diante.
é hora de arregaçar as mangas e agir em prol de um mundo melhor, antes que seja tarde demais!



Vinicius das Chagas Nº29 B301

Anônimo disse...

como li em algumas postagens de amigos de classe, seria hipocrisia ressaltar ou deixar em evidencia a teoria do malthus ou a neomalthusiana.
Malthus dia que terá muita gente pra pouco alimento, mas acho que ele estava jogando "playstation" nesta hora ( se é que existia naquela época ), pois está comprovado que "a atual produção agropecuária mundial é suficiente para alimentar cerca de 9 bilhões de pessoas, enquanto a população ainda não atingiu a cifra de 6 bilhões", ou seja, tem muito alimento ainda!
Depois vem os neomalthusianos dizer que, se voce começar a investir em larga escala na galera que precisa, ou melhor, na população ( em saúde e educação ), isso poderá prejudicar, de alguma foram, a ecnonomia.
Concordo e assino embaixo no que se refere a teoria reformista. Deram um 'tapa' na nuca dos neomalthusianos dizendo que a galera jovem não é causa, ma,s consequencia do subsedenvolvimento. Ela só se tornou uma pedra no sapato do desenvolvimento, justamente por que não houve investimento na saúde, tampouco na educação.
De acordo com isso, minha opinião é a seguinte: " já que não querem ajudar a população, peguem os ricaços e coloquem durante um dia, apenas, na pele de quem é pobre. Garanto que rapidinho algo vai mudar ( ou não né?! ).

Raphael nº23 T: B301

Anônimo disse...

Poxa Professor, temos que concordar com a teoria reformista, se posso assim dizer.
Na minha opinião, o governo brasileiro, em parte, já segue a linha desta teoria. Tem vários programas que favorecem a população. Na area da adolescencia e juventude, temos o ENEM e o PROUNI, que beneficia com bolsas em geral em faculdades e tudo mais.
está na cara que temos condição de mudar este mundo, ma,s as pessoas não se importam com o próximo e pensam como os neomalthusianos: se gastarem com a população, vão ficar prejudicados na industria, nos setores e outros.
O malthus, nem se fala. Dizer que a população cresceria mais rápido que os alimentos é fogo! ainda bem que isso não se firmou.
O mundo se fala muito em união, ma,s na hora do 'vamos ver' ninguém se prontifica.
Márcio, duvido que, se se todo mundo se unisse, todos em prol de um mesmo ideal, o mundo estaria o caos ( poluição, fome, miséria) que se encontra.

Fabrício T: B301

Anônimo disse...

SARA DOS SANTOS PACIFICO DE OLIVEIRA 3º ANO NOITE ENFERMAGEM

A teoria de Malthus dizia que a população duplicaria em 25 anos e que as pessoas morreriam de fome, tese que foi derrubada pois a população não duplicou, essa teroria tambem era contra os metodos anticoncepcionais, dizia que as pessoas so poderiam ter filhos se possuissem terras cultiveis para dar o de comer aos seus filhos...
Ja a teoria neomalthusiana os metodos anticoncepcionais ja eram aceitos...
Na teoria reformista dizia que nos paises desenvolvidos as pessoas tinham menos filhos e assim uma qualidade de vida melhor, e ja nos paises subdesenvolvidis as pessoas tinham mais filhos e assim uma qualidade de vida muito pior...
A teoria reformista diz exatamente o problema do Brasil onde o pais naum investe no jovem com educação e saude e assim eles tem familias mais cedo e com mais componentes, geralmente uma familia pobre tem mais de 5 filhos e eu rica costuma ter 2 por que tem mais acesso a informações e a educação.

Evelyn disse...

CENTRO EDUCACIONAL5 DE JULHO
ALUNA:EVELYN BARBOZA DE OLIVERA FERRARI N° 36
TURMA: 301 (NOITE)

Realmente a teoria que melhor mostra a realiade atual, é a reformista.
A natalidade desordenada não é a causa e sim a consequência da falta de instrução.
A educação é a alavanca para países subdesenvolvidos alcançarem o desenvolvimento.
Há alimentação sobrando, porém não podem comprar por falta de dinheiro, assim como há vagas no mercado de trabalho mais não há mão de obra qualificada.
Somente com educação, qualificaremos nossos jovens para que possamos concorrer as vagas com dognidade no mercado de trabalho. Com um bom salário poderemos pagar por uma boa saúde e como resultado disso tudo, virá o controle da natalidade.
O nível de desenvolvimento de cada país influencia a sua taxa de crescimento demográfico. Nos países desenvolvidos, o crescimento populacional é muito lento, devido á baixa taxa de natalidade, maior investimento nos estudos na realização profissional. Nos países subdesenvolvidos, o crescimento populacional é muito elevado porque não existem medidas de planeamento familiar, o nível de instrução é muito baixo e as pessoas têm expectativas profissionais muito limitadas.
Então,
o dinheiro é algo que o ladrão pode vir e roubar, porém o conheçimento ninguém pode nos tirar.

Anônimo disse...

Teve muitas teorias sobre o crescimento populacional,Na minha opiniao o crescimento populacional nao esta crescendo assustadoramente como antes,porque hoje em dia nos temos acesso a informações sobre prevenção, como camisinha anticoncepcional e etc. E as pessoas mais carentes já tem mais acesso a essas coisas,pelo fato de existirem postos de saúde em bairros pobres q distribuem gratuitamente. Também acho q deveria existir programas q mostrem as pessoas q o crescimento populacional é um problema q todos nós devemos nos preocupar,a miséria aumenta por causa desse crescimento e da desigualdade social. Concordo com a teoria refosmista e acho q o país deveria investir em questões sociais e econômicas. Isso resolveria o problema.

Beijos,`Prof. Te adoro!!

Desculpa mas nao sou muito boa em comentar. Mas ler com carinho tah? rsrs..

Nome: Juliana butkowsky Nº: 36 T:301b

Anônimo disse...

JÉSSICA SILVA DE OLIVEIRA. N°38 3° ANO NOITE.

Bom eu concordo com algumas das teorias citadas no texto. Uma das teorias em que eu concordo é a teoria reformista que trata da mais pura verdade, realmente nos dias de hoje os países subdesenvolvidos gasta muito dinheiro com programas socias.
Eu acho que o dinheiro gasto com esse tipo de programa poderia ser usado de outra forma como, por exemplo, para educação, saúde, saneamento básico e outras coisas mais. Até por que uma família bem informada vai saber espontaneamente os métodos contrasepitivos através da televisão, de jornais, rádios e muito mais.
Mais infelizmente as coisas não são bem assim o governo gasta bilhões de reais com campanhas e programas e muitas vezes não resolve o problema de milhares de famílias.
Em minha opinião antigamente as famílias tinham cerca de 20 filhos mais a situação naquela época era melhor, o custo de vida não era tão alto em relação a hoje.
Então talvez o governo tenha que pensar um pouco mais na educação dessas pessoas para que pelo menos seus filhos sejam bem informados e possam ter uma vida melhor.

Franjinha disse...

ALUNA: EVELYN BARBOZA DE OLIVEIRA FERRARI N° 36
3° ANO ( NOITE)
O Brasil como tudo que há no mundo tem os seus dois lados da moeda.
Um lado bonito de se ver, porém o lado da minoria.(ricos) "a coroa".
O outro a maioria, que luta todos os dias acordando as 4 da manhã para pegar a condução para o trabalho e chegando em casa no final do dia, já ao anoitecer, que no final do mês seu salário não dá nen siquer para pagar as dispesas básicas. Sem contar aqueles que nen um emprego consegue por falta de qualificação, esses vegetam contando com doações.(pobres)"a cara".
A solidariedade pode ser um começo,a princípio um prato de comida pode fazer a diferença, mas a real diferença vai ser feita quando em vez de darmos um prato de comida dermos condições para essa pessoa adquiri-lo por seus próprios méritos.
Ai sim , não só saciaremos a fome do corpo como também a de dignidade.

vanessa disse...

A população no mundo não cresceu como previa a teoria de mathus. Devido ao controle de natalidade imposta pelos governos de paises subdesenvolvidos, através de laqueduras e anticoncepicionais. Não podemos esquecer que na época em que vivemos tudo indica que a pobresa no mundo contribui para que essa teoria ñ aconteça. outro fator que infelismente contribui é a morte de crianças com menos d dois anos por desnutrição.

ALUNA; VANESSA BRUZELLO ABRAHÃO
N° 28 TURMA; B 301

Anônimo disse...

po marcio, tava colocando o endereço errado.. foi mal postar hoje...
mas, o que que esse malthus tem? parece maluco!
ele estudou um especinho pequenininho que disse que o mundo inteiro iria pasar fome? caraca, como ele faz isso com base em uma pequena área?
a outra foi os neomalthusianos dizerem que investindo na população jovem, as industrias e setores agrícolas vão ficar prejudicados.
fala sério márcio, essa galera não pensava não? se eles olharem para a população, eles vão ter uma população estudada e tal para exercer as funções, caraca, é foda!
apoio, como todo mundo a teoria reformista, que se enquadra melhor ao nosso mundo e nossa condição!
esse Brasil tem que crescer, não diminuir. agente tem que olhar pras necessidades e não pro mundo. se agente pensar na nossa turma, a economia e o resto vão ser consequencias do nosso crescimento.



Mario de mattos nº 39 T:301b